Sexta, 21 Setembro 2012 01:08

Um pouco da História e da trajetória da ABDF

É verdade, a Associação de Bibliotecários do Distrito Federal, ABDF, nasceu de uma paixão! Paixão pela Biblioteconomia e pela profissão de bibliotecário.

Embalada pela euforia de ver a profissão de bibliotecário ser regulamentada, no dia 18 de setembro de 1962, a bibliotecária Adélia Leite Coelho, então diretora da Biblioteca do Senado Federal, mobilizou e contagiou um grupo de bibliotecários que acabavam de chegar à capital do Brasil e, oficializou a criação da ABDF. O registro em cartório da 1ª Ata de criação da ABDF, legitimou a presença da Associação, representando a classe bibliotecária, no Plenário do Congresso Nacional, na sessão que sancionou a Lei 4.084/62 que regulamentou a profissão de bibliotecário e criou os Conselhos. Assim a ABDF e a Lei do Bibliotecário comemoram, neste ano, 50 anos de história.

A ABDF é uma entidade de classe que reúne facultativamente os bibliotecários do Distrito Federal. Representa seus associados e desde a sua criação vem participando, de maneira constante, em prol das iniciativas de dotar a capital do Brasil de um sistema de bibliotecas públicas e escolares.

Promoveu a primeira mobilização em favor da criação de uma biblioteca pública de Brasília, a exemplo de capitais como Paris, Lisboa, Washington, lançando a Campanha “Biblioteca Pública Já”, conseguindo mais de 1000 assinaturas. Nas comemorações do Jubileu de Prata de Brasília, em 1985, coordenou os trabalhos da Subcomissão de Biblioteca e Literatura e liderou o movimento Pró-Biblioteca Pública de Brasília.

Constata-se que a luta da ABDF, e, portanto, dos bibliotecários do Distrito Federal para dotar nossa Capital de serviços bibliotecários, incentivando a leitura e o acesso à informação e ao conhecimento, vem de longa data. Honrando assim sua missão de promover a excelência dos serviços de biblioteca, por meio do aperfeiçoamento e do reconhecimento da profissão de bibliotecário, contribuindo para dignificar a classe e para democratizar a informação para a sociedade do Distrito Federal.

É uma entidade de classe, regional, filiada à Federação das Associações de Bibliotecários, Cientistas da Informação e Instituições, FEBAB e registrada no Conselho Regional de Biblioteconomia 1ª Região. É referência no Distrito Federal para bibliotecários, auxiliares e técnicos de biblioteca das unidades de informação, das organizações públicas e privadas. Incentiva e promove a troca de experiências, oferecendo cursos de atualização e capacitação, eventos, encontros, com ênfase na qualidade, na ética e no profissionalismo, buscando o crescimento individual e coletivo dos profissionais.

Vem atuando junto ao governo estadual e federal, defendendo os interesses dos bibliotecários do Distrito Federal. Advoga pela contratação, por concurso público, de pessoal qualificado, para que os serviços bibliotecários da Capital e do país, utilizem os processos biblioteconômicos. Participa de todas as ações em prol de bibliotecas públicas e escolares, de qualidade, defendendo que as mesmas constem da agenda dos governos: federal, estadual e municipal.

Tem seus altos e baixos, como acontece com qualquer instituição e entidade. A crença de que só com união de esforços as categorias profissionais amadurecem e obtêm conquistas significativas, para a classe e para sociedade, tem dado vida longa a Associação. Com o apoio dos bibliotecários do Distrito Federal conquistou sua sede própria, lançou livros da área, lançou uma revista. Muito mais conquistas podem ser possíveis, desde que, conforme palavras do bibliotecário Luiz Antonio Gonçalves, que também faz parte da história da ABDF como grande colaborador: “A contribuição de todos, mesmo pequena, é necessária para que a ABDF seja uma Associação forte com condições de lutar pelos interesses e defender os direitos da classe”.

Os bibliotecários de DF devem se orgulhar de constatar que sua associação de classe completa 50 anos, resistindo, lutando, sobrevivendo com o trabalho de bibliotecários voluntários que emprestam suas horas, suas preocupações, suas ideias na manutenção do movimento associativo em Brasília.

A ABDF mantém diálogo com autoridades do Governo do Distrito Federal, nas áreas de Educação e Cultura, no incentivo da criação de novas bibliotecas públicas e escolares, na manutenção das já existentes e na contratação de bibliotecários para a gerência das bibliotecas e de auxiliares de biblioteca para o apoio. Vem colaborando apresentando, através de documentos as autoridades locais, as considerações e preocupações da classe bibliotecária sobre os destinos da Biblioteca do Complexo Cultural da República, na Esplanada dos Ministérios e advoga que esta possa ser cabeça do Sistema de Bibliotecas Públicas, concretizando a Rede de Bibliotecas do DF. Faz parte da Comissão que estuda ações de acesso ao livro e incentivo a leitura, através de participação nas discussões e elaboração do Plano Distrital do Livro e da Leitura.

Em outubro de 2008 participou ativamente da realização da primeira audiência pública realizada na Câmara Legislativa para discutir a situação das bibliotecas públicas e escolares de Brasília, propondo uma lei de criação do Sistema de Bibliotecas Públicas do DF.

A ABDF tem encaminha, ao mercado de trabalho, bibliotecários e auxiliares que são contratados para órgãos públicos e instituições privadas.

A Associação apoia projetos sociais como: “Escolas-Irmãs”, da Assessoria Especial da Presidência da República/Biblioteca da Presidência na capacitação de pessoal para bibliotecas escolares. É a coordenadora técnica do projeto “Bibliotecas Casa do Saber”. Visita os locais a serem beneficiados, colabora na montagem das bibliotecas públicas, comunitárias e escolares, coordenando a seleção, separação, escolha dos livros adequados para a comunidade e na capacitação de pessoal que trabalha nas bibliotecas.

Na sua trajetória histórica, foi precursora de discussões importantes que deram origem a eventos que tiveram várias edições. Entre esses eventos realizados pela ABDF, que contou com a participação dos bibliotecários, entidades, instituições e parcerias, foi possível realizar vários eventos.

EVENTOS REALIZADOS PELA ABDF

ABDF 50 anos

1962-2012

 

VIII – CBBD – Brasília/DF de 20 a 25/07/1975

1º Seminário de Publicações Oficiais Brasileiras de 22 a 25/7/75

Simpósio sobre Mercado de Trabalho, Legislação e Ética Profissional – 8 e 9/8/80

2º Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias – 25 a 30/01/81

4º Seminário sobre Publicações Oficiais Brasileiras – 27 a 31/07/81

I Simpósio Biblioteca, Leitura e Livro, de 27, 29,30/81

1ª Feira do Livro de Brasília – out./nov. 1982

5º Seminário sobre Publicações Oficiais Brasileiras – 3 a 8/07/1983

2ª Feira do Livro de Brasília; 1983

3ª Feira do Livro de Brasília; 1984

Encontro Nacional de Biblioteconomia e Informática – 22 a 24/10/84

Seminário para Bibliotecas de Referência – 23 a 25/09/85

4ª Feira do Livro de Brasília; 1985

Seminário para Gerentes de Bibliotecas e Centros de Documentação/Informação – 22 a 24/05/85

5ª Feira do Livro de Brasília, 1986

Seminário sobre Processos Técnicos – 24 a 26/09/86

6ª Feira do Livro de Brasília, 1987

6º Seminário sobre Publicações Oficiais Brasileiras – 26 a 30 /10/87

Seminário sobre a Biblioteca de Brasília, de 14 a 15/88

7ª Feira do Livro de Brasília, 1988

8ª Feira do Livro de Brasília, 1989

7º Seminário sobre Publicações Oficiais Brasileiras – 25 a 30/11/90

9ª Feira do Livro de Brasília, 1990

1º Seminário Latino-Americano de Publicações Oficiais – 25 a 30/11/90

1º Encontro de Coordenadores de Documentação e Biblioteca do Poder Executivo – 28 e 29/08/90

Encontro de Bibliotecários do Centro-Oeste – EBCO – 2 e 3/10/97

1ª Exposição “Biblioteconomia Fazendo Arte”, durante as comemorações do Dia do Bibliotecário 2005 – Tema Artes plásticas por artistas bibliotecários

2ª Exposição “Biblioteconomia Fazendo Arte”, durante as comemorações do Dia do bibliotecário, 2006 – Tema Artesanato de artesãos bibliotecários

3ª Exposição “Biblioteconomia Fazendo Arte”, durante as comemorações do Dia do Bibliotecário, 2007 – Tema Fotografia. As fotos retratavam espaços de serviços bibliotecários de Brasília, por fotógrafos bibliotecários. Esta exposição tornou-se itinerante percorrendo várias bibliotecas públicas e privadas, durante o ano de 2007

Exposição “Biblioteconomia Fazendo Arte”, 2008. Tema Música

Exposição “Biblioteconomia Fazendo Arte”, 2009. Tema pintura

Exposição “Biblioteconomia Fazendo Arte”, 2010. Artes plásticas

Exposição “Biblioteconomia Fazendo Arte”, 2011. Tema: A arte da Ikebana

XII CBBD, julho de 2007 em parceria com a FEBAB

I Seminário Nacional de Documentação e Informação Jurídica, julho 2007

II Seminário Nacional de Documentação e Informação Jurídica, 2010

III Seminário Nacional de Documentação e Informação Jurídicas, setembro 2012

 

O movimento associativo é da maior importância para a defesa dos interesses coletivos. Sem união de esforços não há conquistas. E, sem dúvida, os bibliotecários devem ao movimento associativo a conquista de ter uma profissão regulamenta por Lei.

Neste ano em que a ABDF comemora seus 50 anos é importante que os bibliotecários tomem consciência de que uma entidade de classe é a reunião dos profissionais daquela classe. A diretoria de uma entidade de classe não pode trabalhar sozinha, não pode conseguir as conquistas e os direitos que os profissionais desejam. É preciso união entorno da Associação que só tem sua razão de ser pelo quadro de associados que tem.

SE NÃO LUTARMOS JUNTOS PELA NOSSA PROFISSÃO QUEM O FARÁ?