Segunda, 20 Junho 2011 15:30

Bibliotecas Públicas e Bibliotecas Escolares

As missões são diferentes, sem dúvida, nos dois tipos de bibliotecas. Mas, no Brasil dada a falta de bibliotecas escolares - que devem fazer parte do projeto pedagógico da escola - as bibliotecas públicas são desvirtuadas na sua missão principal que é a de atender um público mais amplo das comunidades oferecendo lugar para crianças, jovens, adultos, idosos, aposentados e outros grupos que fazem parte da população de uma cidade, município ou lugarejo. Muitos acreditam que as bibliotecas públicas são para os estudantes. E acabam não frequentando a biblioteca pública. Vivenciei isto quando começamos a atender as bibliotecas públicas com o Projeto Bibliotecas Casa do Saber. Durante as inaugurações é comum um público maior comparecer e nesse momento em conversa com as pessoas informamos que a biblioteca está aberta para todos. E aí elas nos perguntam: "mas, nós também podemos vir a biblioteca e pegar livros? Não é só para os estudantes?" Esta é a imagem que se faz da biblioteca pública no Brasil. Então explicamos que a biblioteca é para todos. As pessoas vêm uma predominância de estudantes do ensino fundamental, principalmente, nas bibliotecas públicas, pois é o único lugar que eles têm para fazer seus exercícios e buscar um livro para completar melhor um trabalho que estão fazendo. Por outro lado, as poucas bibliotecas escolares que existem, nas escolas públicas, funcionam precariamente sem horário corrente, sem pessoal para receber os alunos, sem o mínimo de organização no acervo. Também é uma vivência que tenho atendendo as escolas pelo Projeto Bibliotecas Casa do Saber. Pelo Projeto oferecemos as instituições beneficiadas: móveis, estantes, computador, um programa livre de controle do acervo, pequenos reparos e reformas para deixar o ambiente da biblioteca, limpo, bem iluminado, com um novo leiaute. Colocamos livros semi-novos que foram selecionados tendo em vista a clientela da biblioteca, sinalizamos as estantes e oferecemos um curso de auxiliar de biblioteca para leigos que já estão trabalhando nas bibliotecas. Mesmo que a biblioteca tenha bibliotecário, caso raro, o curso é oferecido, pois é importante que o bibliotecário tenha ao seu lado pessoas que conheçam as atividades de uma biblioteca. Muitas pessoas que treinamos já não estão nas  bibliotecas. Infelizmente, é o que estamos vendo com o nosso programa de volta aos locais beneficiados. O pessoal que atende nas bibliotecas públicas e escolares são temporários. Não há um quadro de pessoal que possa fixar um mínimo de funcionários nas bibliotecas e garantir o seu pleno funcionamento. Aguardo com ansiedade o curso à distância de Biblioteconomia a nível de graduação que será oferecido pela Universidade Aberta. Penso que será uma revolução na nossa área. O curso foi projetado com o aval do CFB, e contou com bibliotecários doutores, representativos dos vários cursos regulares presenciais, que montaram todo o conteúdo programático. Não tenho dúvida que virá sanar a enorme defasagem que temos na formação de novos bibliotecários. O Brasil precisa de muitos bibliotecários para atender aos municípios, principalmente. Alguns Estados já estão querendo aplicar a Lei de universalização de bibliotecas escolares, mas não têm bibliotecário para colocar nas escolas. O momento é propício já existe uma conscientização maior neste momento da importância da leitura e de serviços bibliotecários na sociedade brasileira. Nós bibliotecários temos que apoiar, participar, discutir, cobrar com mais veemência. É o futuro da profissão e a melhoria global dos serviços bibliotecários no Brasil que está na pauta. Não vamos esperar.

"quem sabe faz a hora não espera acontecer" (Geraldo Vandré, música)