Segunda, 03 Janeiro 2011 11:39

Educação de boa qualidade com bibliotecas

Ao findar o ano de 2010 leio duas, matérias, em dois grandes jornais, que falam em educação e sua importância para a sociedade do conhecimento. Sociedade que exige dos profissionais cada vez mais idéias e participação efetiva nas organizações. Portanto, requer, desses profissionais, uma boa formação educacional. Em uma das matéria é citado o Manifesto dos Pioneiros. Na outra cita declarações do inventor do computador pessoal e cofundador da Apple, Steve Wozniak, que considera os bons professores e as boas escolas como responsáveis pelo progresso humano. Fiquei curiosa sobre o Manifesto. E como ainda não tinha lido fui procurá-lo para tomar conhecimento do que se tratava. Trata-se do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, assinado por personalidades como Anísio Teixeira, Cecília Meirelles, Roquete Pinto, Fernando de Azevedo e outros, no ano de 1932. Leio a primeira frase: "Na hierarquia dos problemas nacionais, nenhum sobreleva em importância e gravidade ao da educação." Impressionante, parece que foi escrito hoje! E continuo lendo: "Todos os professores, de todos os graus, cuja preparação geral se adquirirá nos estabelecimentos de ensino secundário, devem no entanto, formar o seu espírito pedagógico, conjuntamente, nos cursos universitários, em faculdade ou escolas normais, elevadas ao nível superior e incorporadas às universidades". Este documento tem apenas 78 anos. Ali estão as idéias do ensino integral, da melhor formação dos professores, do conceito de escola como instituição social integrada a vida da comunidade e trabalhando com ela. Como nossos presidentes, governadores e prefeitos não conseguem colocar em prática as idéias do Manifesto dos Pioneiros que se implementado, sem dúvida, colocaria o Brasil em melhores índices educacionais perante o mundo? Em Brasília, Anísio Teixeira tentou dar à Capital do Brasil um sistema educacional modelar. Propôs no Plano Educacional de Brasília em 1950 a idéia das Escolas-Classe e Escolas-Parque. Essas escolas, em tempo integral, ofereceriam uma educação inovadora, com vários setores: Setor Trabalho; Setor de Educação Física e Recreação; Setor Socializante; Setor Artístico e Setor de Extensão Cultural e Biblioteca. Neste último os alunos desenvolveriam a leitura, o estudo e a pesquisa. Que maravilha! Seguindo este modelo, sem dúvida, a escola em tempo integral, faz sentido. Mas, deixar alunos o dia inteiro na Escola sem ter se quer uma biblioteca com livros atualizados, espaço confortável, pessoal qualificado e atividades culturais, como é o caso da maior parte das Escolas públicas do DF, não vai levar à Educação que queremos para as nossas crianças e adolescentes.     


Iza Antunes Araujo - CRB1-079
Presidente da ABDF