Objetivo

-  Refletir e discutir sobre o cenário atual da Biblioteconomia e Ciência da Informação

Público Alvo

- Bibliotecários, Cientistas da Informação, Acadêmicos, Estudantes, Consultores e interessados no tema.

 Veja mais no site da Associação dos biblioitecários de Minas Gerais.

Quarta, 06 Setembro 2006 09:25

MANIFESTO DO POVO DO LIVRO

O acesso ao livro e a outras formas de leitura – como jornais, revistas e Internet – deve ser assegurado a toda a nação brasileira. Independentemente de credo, raça, faixa etária, necessidade especial, escolaridade ou condição econômica, todo brasileiro, como ser humano que é, deve ter garantido seu direito inalienável à leitura – como meio de transmissão do conhecimento, entretenimento, de desenvolvimento pessoal e profissional e, portanto, de cidadania.

Em um país como o Brasil – onde apenas um entre cada quatro habitantes está habilitado para a prática da leitura; onde nossas crianças ocupam os últimos lugares nos estudos internacionais sobre compreensão leitora; onde o índice nacional de leitura é de menos de 2 livros lidos por habitante/ano; e onde a maior parte dos milhões de alfabetizados nas últimas décadas tornou-se analfabeta funcional – a leitura precisa e deve ser tratada como uma prioridade nacional.

A Educação e a Cultura são áreas estratégicas dentro do projeto do desenvolvimento nacional e da cidadania. A escrita e a leitura constituem não só o mais forte amálgama entre elas como o caminho indispensável para a formação do cidadão crítico, emancipado, inserido em seu meio e capaz de modificá-lo. Embora não seja a via única de acesso ao conhecimento e à informação – o que compartilha com outras linguagens, como a visual e a eletrônica –, o livro continua a ser a maior invenção do último milênio e a ocupar um papel central na sociedade.

A leitura gera condições para decodificar, interpretar, compreender e se fazer entendido, criando, assim, as condições necessárias para o ser humano se comunicar com os seus iguais. De tal forma que, ao promover o seu desenvolvimento em todos os aspectos, o ato de ler o credencia a buscar maior participação social e política e a exercer sua cidadania em plenitude.

As conquistas e os avanços obtidos nos últimos anos nas esferas federal, estadual e municipal necessitam ser preservados, mas não só. Precisam ser ampliadas e ganhar a dimensão que o tema merece. Programas e projetos de acesso ao livro e às outras formas de leitura, de formação de agentes multiplicadores (como os educadores, os bibliotecários e os voluntários), de valorização do ato de ler no imaginário coletivo, e, ainda, de fortalecimento da economia do livro devem ser convertidos em política de estado – acima dos governos e das pessoas.

Tornar a questão do livro e da leitura uma política pública significa aprofundar o vínculo das ações de Educação e Cultura e, sobretudo, dotar a área de uma estrutura administrativa e orçamentos capazes de atender às grandes demandas existentes. Os esforços feitos até agora pelos diferentes governos merecem o devido respeito, porém ainda são insuficientes para o Brasil começar a saldar essa dívida social com o cidadão e a cidadania, com o livro e a leitura.

O Estado deve garantir as condições necessárias de acesso ao livro gratuito aos seus cidadãos. A biblioteca é um serviço público e dever do Estado, tal como a saúde e a educação. Para tanto, o Estado deve cumprir, de forma cabal, a Política Nacional do Livro e dar, a partir de 2007, prioridade total à revitalização da biblioteca pública. É ela o meio mais eficiente de proporcionar educação continuada à população e, dessa forma, ser instrumento de democracia e de política social.

É, pois, fundamental e urgente que todos os municípios brasileiros tenham pelo menos uma biblioteca e que a rede existente – municipal, estadual, federal, escolar, universitária e comunitária – seja fortalecida e reequipada para atender ao cidadão brasileiro dentro dos padrões mínimos internacionais: com bons e diversificados acervos de livros e outros materiais; pessoal qualificado e estimulado; e recursos permanentes para manutenção, atualização, formação e fomento. A Lei do Livro, a Câmara Setorial e o Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL) devem ser aprofundados e ganhar maior efetividade, materializados em projetos, programas e investimentos, em todos os rincões do país, sobretudo nas áreas menos favorecidas.

Às vésperas de se comemorar os 200 anos da criação da indústria do livro no país – que ocorreu em 1.808, com a instalação da primeira tipografia e editora, a Impressão Régia – faz-se urgente e indispensável tornar o Brasil uma nação verdadeiramente de cidadãos leitores. A prática social da leitura é, afinal, o caminho para onde apontava a legião de brasileiros notáveis – integrada por escritores como Monteiro Lobato e tantos outros – como a estratégia de enfrentamento do drama da fome, da pobreza, da ignorância e da violência urbana para colocar o Brasil , aí sim, no rumo do desenvolvimento, da justiça social e da solidariedade.

Brasil, setembro de 2006

 

Para assinar e aderir, basta clicar aqui...

Veja quem já aderiu...  

O Supremo Tribunal Federal promoverá no período de 12 a 14 de fevereiro>de 2007, na Sala das Sessões Plenárias do Tribunal Superior do Trabalho, o 1º Seminário de Gestão da Informação Jurídica em Espaços Digitais. O evento terá participação de palestrantes de vários países e representantes de universidades e instituições públicas brasileiras. Será uma oportunidade de ampliar o conhecimento tecnológico nacional para melhorar a oferta de produtos e serviços de informações jurídicas baseados em padrões internacionais, garantindo a cooperação, o acesso, a interoperabilidade e as melhores práticas na gestão de espaços digitais no País.

Inscrições gratuitas pelo site www.stf.gov.br/sijed

Palestrante americano virá ao Brasil em setembro para falar sobre "Gerenciamento de Bibliotecas e as Tecnologias da Informação"

As palestras serão oferecidas nas cidades de Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza. Brasília: 19 de setembro, às 09:30h

Auditório da Escola Americana de Brasília Auditorium SGAS 605, Bloco E, Lotes 34/37 (L2 Sul)

Informações adicionais: Tel: (61) 3312 7608 / 0800-61 8747 / E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

O palestrante, Jordan Scepanski, é professor universitário e ex-diretor do "Triangle Research Libraries Network" em Chapell Hill, Carolina do Norte.

Maiores informações: http://irc.embaixada-americana.org.br/

Domingo, 27 Agosto 2006 14:01

Organização da informação na Web

i1523Desde a sua concepção, a web passou por estágios evolutivos que podem ser classificados em três gerações. A primeira geração, baseada na linguagem HTML, tornou possível a exibição dos documentos independentemente de sua localização física; a segunda geração tornou possível o uso de diferentes formas de apresentação para a mesma estrutura de um documento, com base na linguagem XML; a terceira geração, a da web semântica, consiste em um desafio para quem estuda ou trabalha com a organização da informação. Ailton transforma o seu livro em um impulso inicial para aqueles que aceitam esse desafio nos trilhos da Web Semântica. 136 p. il, 2006, ISBN: 85-7062-499-9.

 

No I Seminário sobre Informação na Internet, que aconteceu nos dias 22 e 23 de
agosto, foram analisadas questões como a preservação digital, normas e padrões
(XML e EPING), a websemântica (indexação), direitos autorais, governo
eletrônico e cidadania, softwares para busca e conteúdos de sites como o
Google, Yahoo, MSN, UOL, Terra e também dos blogs.
 
O objetivo do evento foi trocar experiências e avaliar as melhores práticas no
desenvolvimento de repositórios e periódicos de acesso livre, além de tratar
dos conceitos relativos ao comércio, pesquisa e educação virtual. Na noite do
dia 23, na presença do Ministro de Ciência e Tecnologia, o Ibict lançou o
Portal de Acesso Livre a Periódicos.
 
O livre acesso à informação científica foi o tema amplamente discutido durante o
Simpósio Internacional de Acesso Livre à Informação, que aconteceu nos dias 24
e 25 de agosto. Durante o evento, houve troca de experiências e avaliação de
melhores práticas no desenvolvimento de repositórios e periódicos de acesso
livre. Pesquisadores, professores, estudantes, pró-reitores de pesquisa,
agências de fomento, editores científicos, coordenadores de projetos de
coleções digitais de informação científica e estudantes debateram sobre a
necessidade de uma política de acesso livre à informação científica no Brasil.
 
 
Assessoria de Comunicação Social do Ibict
Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia - Ibict
febab   A FEBAB tem o prazer de comunicar a todos os profissionais de informação e demais interessados que a partir dessa data a Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação - RBBD, Nova Série, vo.2, n1, jan.-jun.2006, encontra-se oficialmente disponível em formato digital para consulta em seu site http://143.106.108.58/seer/ojs/ojs/index.php .

A partir de agora, todas as bibliotecas do Brasil podem ficar informatizadas sem nenhum custo e de uma forma fácil e rápida. Graças a uma parceria entre a IBM Brasil e a Sabin (Sociedade Amigos da Biblioteca Nacional) e a Coordenação dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia da UFRJ, nasceu o Biblivre, software gratuito baseado em Linux para arquivo e pesquisa de livros.

 Basta acessar o site

www.biblivre.ufrj.br e fazer o download.

 

O software utiliza padrões internacionais e foi desenvolvido em módulos que incluem cadastros de funcionários e de leitores, controle do acesso físico às dependências da biblioteca, controle de empréstimos e principalmente módulos de catalogação, além de um banco de dados de obras na íntegra, que pode ser acessado via Internet.


O Biblivre já está implantado em três bibliotecas do Rio de Janeiro e foi lançado oficialmente ontem durante o XIII Encontro Nacional de Bibliotecas Públicas, também no Rio. O evento contou com a presença do Ministro da Cultura, Gilberto Gil. Em breve, o software estará funcionando em mais de 400 bibliotecas de todo o país.

 

De acordo com a Executiva de Relações Comunitárias da IBM Brasil, Sirlene Toledo, o apoio a esse projeto vem ao encontro da estratégia de responsabilidade social da empresa, que tem o foco em educação. "Em um mundo cada vez mais informatizado, as bibliotecas devem ser revitalizadas para atrair novos visitantes. O Biblivre vai facilitar e agilizar as pesquisas, além de incluir digitalmente os bibliotecários.".

 

Responsabilidade Social na IBM Brasil

O Departamento de Relações Comunitárias da IBM Brasil tem como missão planejar e desenvolver projetos e parcerias sociais alinhados com a estratégia de negócios da empresa. Os projetos estão divididos em quatro áreas de atuação: educação e cultura, saúde, voluntariado e diversidade. Todos têm como objetivo dar condições de auto-sustentabilidade para as instituições e a comunidade envolvida.

 

IBM Departamento de Comunicação
Christiana Cardoso - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
(11) 2132.3140

Informações
Vanessa Garcia - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
(11) 2132-2258

Quarta, 02 Agosto 2006 14:21

Bibliotecas dão nova fama a Bogotá

Com 2 milhões de livros, o principal centro do país tem mais visitantes
do que Masp, Pinacoteca e Mário de Andrade juntos. Com outros projetos na área e grandes bibliotecas em construção, capital da Colômbia recebe título da Unesco por apoio à leitura

Com 2,7 milhões de visitantes por ano, a Biblioteca Luis Ángel Arango, em
Bogotá, é uma das mais visitadas do mundo. Recebe, em média, 9.000 pessoas
diariamente. É mais do que a soma de visitantes de Masp (Museu de Arte Moderna
de São Paulo), Biblioteca Mário de Andrade e Pinacoteca juntos por dia.
Mantida pelo Banco Central do país, ela tem 2 milhões de livros e capacidade
para 2.000 leitores sentados. Nos últimos anos, a BLAA fez escola: a prefeitura local construiu outras megabibliotecas pela cidade e criou diversos programas de leitura que visam formar leitores em massa.
Tal empenho recebeu reconhecimento da comunidade internacional. A Unesco escolheu Bogotá como a primeira cidade latino-americana a ser Capital Mundial do Livro, título que ostentará em 2007. A Fundação Bill e Melinda Gates doou US$ 1 milhão para a rede municipal de bibliotecas e colabora com equipamentos tecnológicos para os centros.
Em visita recente a São Paulo, convidada pela Secretaria Municipal de Relações
Internacionais, a diretora da BLAA, Ángela Pérez Mejía, esteve em São Paulo para falar de como as bibliotecas transformaram Bogotá e começam a mudar um país associado à guerrilha, narcotráfico e violência. Em palestra na Biblioteca Mário de Andrade, que passa por processo de modernização, Pérez Mejía falou que a capital colombiana deve muito aos novos espaços de convivência com livros.
Uma rede de ciclovias, de 300 quilômetros de extensão, e o sistema de ônibus articulados, em corredores, servem todas as grandes bibliotecas. "As bibliotecas ditaram os rumos do transporte público", diz Pérez. Alguns dos maiores arquitetos colombianos trabalharam na criação das três novas megabibliotecas, como a Virgilio Barco, desenhada por Rogelio Salmona, e a El Tunal, adaptando antiga usina de tratamento de lixo, por Daniel Bermúdez.
Atualmente está em construção a quarta megabiblioteca municipal, na periferia de Bogotá, graças à doação de US$ 12 milhões feita pela família Santodomingo, a mais rica do país. Será inaugurada em 2008. 

Livros ao vento

Um dos projetos que envolveu toda a cidade, além do numeroso público que freqüenta as bibliotecas, é o "Livros ao Vento". A prefeitura local lança 70 mil exemplares, por edição, em versões de bolso de clássicos de Cortázar, García Márquez, Allan Poe, Tchecov, entre outros, e os distribui nos pontos de ônibus, gratuitamente. Na contracapa, um pedido: que ao terminar a leitura, o livro seja passado para outra pessoa ou deixado em outro lugar público.
"Deixe que este livro voe."

Outro projeto municipal utiliza postos de leitura, como estantes desmontáveis, que são instalados nos parques da cidade, com 300 livros cada um. O interesse pelo livro também cresceu para além da capital colombiana. No interior, em plena floresta amazônica, existem os "biblioburros", onde agentes culturais levam coleções ao lombo de burrinhos para emprestar livros nas localidades mais distantes. Também foram criadas pelo governo bibliotecas indígenas.

Folha de S.Paulo - 11/07/2006

RAUL JUSTE LORES DA REPORTAGEM LOCAL
©Todos os direito reservados

www.folha.com.br  

Sábado, 22 Julho 2006 21:03

Escolas-Irmãs: prestação de contas

escolirmasBALANÇO DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2006
03/01 a 03/02

Campanha de Doação de Material Escolar para a Escola Municipal Myriam
Pelles
Pereira Ervilha

Mais de 443 doações arrecadadas

17/02

Oficina Poética coordenada pelos servidores voluntários do CENSIPAM

07/03

Conhecendo mais o Programa Escolas-Irmãs, palestra do Frei Betto Cultura depalest
solidariedade na educação

31/03

Feira do Livro na Escola das Nações

07/03 a 05/05

Campanha de Doação de Livros e Formação/Organização da Biblioteca da Escola
Municipal Myriam Pelles Pereira Ervilha

Mais de 1.000 livros arrecadados

05/05

Oficina Literária com a escritora Dora Duarte

10/05

Visita das escolas parceiras ao Palácio do Planalto

7/05 a 23/06

menin Formação da Rede de Servidores Voluntários da PR
Mais de 20 servidores voluntários aderiram ao Programa.

 Órgãos com voluntários:

AE/PR, DDH, SRI, SECOM, SIP, VPR, BPR, DIGEP, CISET, CENSIPAM, GSI, SEPM.

Outros resultados na Escola Municipal Myriam Pelles Pereira Ervilha:

1 - A equipe da Biblioteca da PR tem orientado e monitorado a organização
física do acervo e o recolhimento de dados estatísticos para controle do
seu
uso pelos alunos e comunidade.

2 - A Associação de Bibliotecários do DF promoveu a capacitação da Auxiliar
de Biblioteca da Escola Myriam Pelles Pereira Ervilha.

3 - A Biblioteca da escola está sendo freqüentada pelos alunos, professores
e pela comunidade;

4 - A Auxiliar de Biblioteca, por iniciativa própria, criou um controlebiblio
para empréstimo dos livros aos cidadãos da comunidade.


5 - As professoras instituíram, como atividade escolar, 30 minutos diários
de leitura para cada sala de aula.

 6 - Os cantinhos de leitura de cada sala estão montados, limpos e, o que é
melhor, estão sendo utilizados pelas crianças.

7- A escola a cada dia que passa está mais organizada e estruturada. É
visível  o entusiasmo das crianças, dos professores e dos colaboradores com
o crescimento da escola.

8 - As crianças associam a presença da Escola das Nações e dos voluntários
da PR às ações educativas e culturais.

Assessoria Especial/PR

Mobilização Social

dimensão responsabilidade social


Escola Myriam Pelles Pereira Ervilha de

Santo Antônio do

Descoberto/GO

Página 50 de 57