gestao1820
 
 
 
 
 

 

Preparado por Sally Holterhoff y Marisol Florén

Cerca de 4000 delegados asistieron al Congreso Mundial de la Federación Internacional de Asociaciones de Bibliotecarios (IFLA) que se celebró en la ciudad de Lyon, Francia, en Agosto del 2014. El tema central del congreso fue, Bibliotecas, Ciudadanos, Sociedades: Confluencia de Conocimiento, muy a tono con la ciudad de Lyon que se caracteriza por su ubicación en la confluencia de los ríos Saona y Rhone. La palabra "confluencia" significa además unión, juntarse, o encuentro y se convirtió en el eje central de la conferencia, con delegados que se juntaron para compartir conocimiento y discutir los temas que afectan a las bibliotecas y la información. El impresionante Centro de Convenciones de Lyon, diseñado por el renombrado arquitecto Renzo Piano, fue la sede de la conferencia de este año.

Uno de los grandes hitos del congreso fue el lanzamiento de la Declaración de Lyon sobre Acceso a la Información y Desarrollo (www.lyondeclaration.org). La declaración hace un llamado a todos los miembros de las Naciones Unidas a hacer un compromiso internacional de asegurar que todos tienen acceso a (y son capaces de entender, usar, y compartir) información que es necesaria para promover un desarrollo sostenible y sociedades democráticas. La declaración enfatiza la importancia del acceso a la información, fundamentada en la disponibilidad de las tecnologías de información y comunicación (TIC), para empoderar a la gente y mejorar sus condiciones de vida. 

IFLA reúne a colegas del mundo entero, de todas las áreas de la información. Los delegados de los distintos países se benefician no solamente de reunirse con otros colegas sino que participan y se envuelven en actividades en subgrupos temáticos o geográficos, o en grupos que comparten una misma lengua. Dentro de IFLA existe la sección de Bibliotecas de Derecho (http://www.ifla.org/ES/law-libraries). La sección está dirigida por un Comité Permanente (http://www.ifla.org/ES/law-libraries/standing-committee) que se reúne dos veces durante la conferencia anual. La actual presidenta del Comité es Claire Germain. Otro miembro del Comité es Donna Scheeder, Jefe de Información Adjunta para el Servicio de Investigación del Congreso de los Estados Unidos, quien será la próxima Presidente de IFLA para el periodo 2015-2017. 

El Programa del 2014 de la Sección de Bibliotecas de Derecho

Usualmente las secciones de IFLA organizan un (1) programa dentro de la conferencia. Este año la Sección de  Bibliotecas de Derecho organizo dos programas en Lyon con excelentes ponentes que estuvieron muy concurridos. El primer programa:

  1. Acceso a la Ley en la Encrucijada de Caminos Digitales: Soluciones Innovadoras a Desafíos Complejos.(http://conference.ifla.org/ifla80/node/337)

Esta sesión estuvo organizada por Pascal Sanz, Karine Delvert y Valerie Alonso. Los ponentes examinaron los retos que supone el acceso a la ley en varios entornos alrededor del mundo y las soluciones empleadas para enfrentar estos retos. Los ponentes para este programa que tuvo tres horas y 15 minutos de duración, fueron identificados por llamados a presentación de ponencias. La mayoría de las ponencias están disponibles en acceso abierto en la Biblioteca de la IFLA (http://library.ifla.org/). Pascal Sanz fue el moderador. Este programa fue patrocinado también por las secciones de Tecnología de la Información, Bibliotecas y Servicios de Investigación para Parlamentos, y el Comité de Libre Acceso a la Información y Libertad de Expresión (FAIFE). 

Lisbeth Kanis de la Editorial Brill en Holanda hablo del proyecto Acceso Global a la Ley en Línea para Avanzar el Desarrollo Sostenible (GOAL), http://library.ifla.org/1045/. Ella explico que GOAL es una iniciativa que está siendo desarrollada para ofrecer acceso en línea asequible a recursos de información jurídicos para instituciones académicas, gobiernos e instituciones sin fines de lucro en países en vías de desarrollo. 

Donald Lickley, de una agencia de empleo Británica que se especializa en el sector de la información, hablo de ¿Outsourcing - Oportunidad o Amenaza? Nuevos Modelos de Gestión y Futuros Desafíos para Información Legal Services, en Bibliotecas de Firmas de Abogados del Reino Unido, http://library.ifla.org/1047/1/121-lickley-en.pdf. El analizó el impacto que está teniendo la aprobación de la ley de Servicios Legales del 2007 (Legal Services Act 2007), en la contratación de servicios de información jurídica en el Reino Unido por fuera de las instituciones (outsourcing). Esta ley permite a los no abogados invertir en firmas de abogados y ofrecer servicios legales como una estructura de negocios alternativa. 

Ni Ni Aye and Moira Fraser de Myanmar hablaron sobre la construcción de un repositorio digital para el Parlamento de Myanmar: Moviéndose Rápidamente Hacia el Futuro: Construyendo un Repositorio Digital para el Parlamento de Myanmar para Almacenar, Organizar y Hacer Accesible Documentos Legislativos para el Uso de los Miembros del Parlamento, Personal Administrativo y Ciudadanos.http://library.ifla.org/id/eprint/1046

Ravinder Kumar Chadha (Secretario Adjunto, Parlamento de India), Priya Rai y Akash Akash (Bibliotecarios de la Universidad Nacional de Derecho, Nueva Delhi), hablaron sobre El Papel Transformacional de las Bibliotecas de Derecho en el Acceso a la Justicia en India: Tiempo de Actuar Localmente y Pensar Globalmente, http://library.ifla.org/1044/1/121-chadha-en.pdf. Ellos analizaron el desarrollo que el Movimiento de Acceso Libre a la Información ha tenido en India facilitando el acceso abierto a información gubernamental y el rol que las bibliotecas de derecho están tomando proporcionando entendimiento de estos recursos electrónicos a través de programas de extensión. 

Aline Girard (de la Biblioteca Nacional de Francia) y Alexandra Gottely (de la Biblioteca Cujas, Paris) hablaron sobre las Colecciones del Patrimonio Jurídico Francés en la Era Digital: Cooperación para el Acceso. Este trabajo fue preparado por Alexandra Gottely (Biblioteca Cujas, Paris), Aline Girard, Pascal Sanz y Claire Bonello (Biblioteca Nacional de Francia). Ellas describieron los esfuerzos colaborativos que se están desarrollando en Francia para digitalizar las colecciones del patrimonio jurídico francés. Un programa de digitalización nacional enfocado en cuatro grandes recursos de información jurídica: legislación, jurisprudencia, fuentes doctrinales, fuentes consuetudinarias, con una sección adicional sobre recursos sobre crimen, castigos y prisión. Aunque es todavía un programa en progreso existen 21 bibliotecas cooperando en todo el país. La Biblioteca Nacional de Francia ha digitalizado sobre 15,500 libros y 270 revistas. Existen 8.2 millones de páginas en la página Les Essentiels du Droit, accesibles en línea a través de Gallica (catálogo de la Biblioteca Nacional de Medicina) (http://gallica.bnf.fr/html/und/livres/essentiels-du-droit).

Francisco Adolfo Cifuentes-Silva de la Biblioteca del Congreso de Chile hablo sobre Arquitectura para el Marcado Automático de Documentos Orientada a Servicios. Un Caso de Uso de Documentos Legales, (http://library.ifla.org/1048/1/121-cifuentes-es.pdf ). El describió el diseño de un servicio orientado para el marcado automático de documentos en el Congreso de Chile.

El segundo programa de la Sección de Biblioteca de Derecho tuvo como tema:

  1. ¿Qué tan Segura es la Ley? Autenticación de Gacetas Oficiales: Un Reporte Mundial, con Atención Especial a Aspectos Técnicos y Prácticos.

 Este programa fue organizado por Sally Holterhoff y Marisol Florén. Los ponentes fueron identificados por convocatorias a presentación de trabajos y por contactos personales. Sally Holterhoff hizo de moderadora de la sección. Este programa tuvo dos horas de duración.

 Sally hizo la introducción de los aspectos y problemas que surgen cuando las fuentes primarias especialmente las leyes se publican en formato electrónico y son designadas como versiones oficiales sin una certificación tecnológica sobre la autenticidad de la fuente o medidas para su conservación a largo plazo. Esta introducción ofreció el contexto para las presentaciones de los distintos expertos que reflejaron la experiencia en distintos países. Tres de los panelistas  representaron organismos que publican las gacetas oficiales de la Unión Europea, Francia y los Estados Unidos. Todos desarrollaron ponencias escritas y presentaciones en Power Point. Un cuarto ponente, Patricia Reyes OImedo, de la Universidad de Valparaíso, Chile, no pudo asistir a la conferencia, sin embargo, su ponencia, Certeza Legal para el Proceso Legislativo, está disponible en español en la Biblioteca de la IFLA (http://library.ifla.org/963/). Ella describió la experiencia exitosa de "Ley Chile" la base de datos de la Biblioteca del Congreso de Chile conteniendo la legislación.

 Martine Reicherts hablo sobre El Auténtico Boletín Oficial-e de la Unión Europea - En Un Año (http://library.ifla.org/924/). Ella es actualmente la Comisionada de Justicia, Ciudadanía y Derechos Fundamentales de la Unión Europea habiendo asumido recientemente esta posición. Previamente fue la Directora General de la Oficina de Publicaciones Oficiales de la Unión Europea. Ella explico el desarrollo de la versión digital del Boletín Oficial y algunos de los aspectos técnicos y organizacionales que tuvieron que enfrentar durante el camino, incluyendo el reto de traducir el contenido en los 24 idiomas oficiales de la UE. La infraestructura tecnológica del Boletín Oficial-e incluye la infraestructura de la clave pública, la firma digital y la plataforma de verificación, así como un protocolo de emergencia en caso de que la tecnología falle.

 Didier François hablo de La Autenticación de la Gaceta Oficial de Francia, (http://library.ifla.‌org/957/). Es el Director Adjunto de la Dirección de Información Legal y Administrativa (DILA) del Departamento del Primer Ministro, en Paris. El explico que la autenticación es hecha usando una firma electrónica basada en una infraestructura de administración de la llave (IGC). Tanto la versión impresa como la versión electrónica de la Gaceta Oficial tienen valor jurídico y se publican diariamente. Desde junio 2 del 2014, la versión electrónica es de acceso abierto. Actualmente existen dos plataformas de acceso a la Gaceta Oficial en formato electrónico Legifrance (http://www.legifrance.gouv.fr/) y el portal del Journal Officiel (http://www.journal-officiel.gouv.fr/). Sin embargo, Legifrance es solo para fines de información y no tiene valor oficial, pero los dos portales están enlazados.

 Charley Barth hablo sobre la Autenticación del Registro Federal (Federal Register). Él es el Director de la Oficina del Registro Federal de los Estados Unidos, y depende del Archivo Nacional, en Washington D.C. El explico que la Oficina del Registro Federal junto con la imprenta oficial del gobierno (Government Printing Office, GPO) es la que realiza la autenticación de las publicaciones oficiales del Gobierno de los Estados Unidos en formato digital. La GPO utiliza la firma digital en archivos PDF y valores hash criptográficos sobre metadatos; también sirven como Repositorio de la Firma Digital a través de archivo FDsys y demostrando la cadena de custodia. El ofreció ejemplos e ilustraciones de estas medidas. También trato los pros y con's de usar la firma digital, y los retos de conservar las publicaciones oficiales federales en formato electrónico en comparación de las versiones impresas y los formatos en microficha.

 Sesión de Posters y Salón Exhibiciones

 Como es costumbre el Salón de Exhibiciones hizo su gran apertura al final del primer día de la conferencia con gran multitud de delegados que disfrutaron de ver los productos y servicios de las distintas empresas y disfrutar del refrigerio que hizo gala de la mejor comida y vino de Francia. Cerca de 100 empresas y organizaciones relacionadas con las bibliotecas del mundo entero hicieron despliegue de sus productos y servicios. Algunas de las empresas con negocios en las Américas fueron EBSCO, Gale Cengage, Learning Innovative, OCLC, y Proquest; otras compañías que exhibieron sus equipos hacen negocios principalmente en Europa o en otras partes del mundo.

 En el Salón de Exhibiciones también fueron expuestos 200 posters. Sally Holterhoff preparo un poster titulado: Manteniendo la Ley Segura: Bibliotecarios Abogando por la Autenticación Digital en los Estados Unidos. El poster fue preparado sobre tela e ilustró el esfuerzo realizado por los bibliotecarios de derecho en los Estados Unidos, abogando: primero, para llamar la atención sobre la necesidad de la autenticación y preservación de las versiones oficiales de fuentes jurídicas primarias en formato digital; luego, para apoyar la creación de una ley uniforme sobre este tema denominada Uniform Electronic Legal Material Act (UELMA). Varios Estados en los Estados Unidos ya han aprobado la legislación modelo para la publicación de documentos legales oficiales.

 Reunión del Comité Permanente

En las dos reuniones de trabajo del Comité Permanente de las Bibliotecas de Derecho se habló de los proyectos a desarrollar para el próximo año, para el Congreso Anual de la IFLA que será en la ciudad de Cape Town, en Sud África (http://conference.ifla.org/ifla81 ). El tema central será Bibliotecas Dinámicas: Acceso, Desarrollo y Transformación. La sección de Bibliotecas de Derecho propondrá dos programas, uno acerca de las bibliotecas de derecho en varios países de África y otro programa enfocado en el continuo valor de las bibliotecas de derecho. Mirando un poco más allá al 2016, la conferencia mundial de la IFLA se celebrara en la ciudad de Columbus, Ohio en los Estados Unidos. Esta ciudad ofrece la oportunidad por su relativa cercanía de que pueda ser atendida por colegas de nuestros países en América Latina.

Otros Hitos de la Conferencia

En la sesión de inauguración del Congreso, los delegados fueron saludados por grandes dignatarios incluyendo el alcalde de Lyon (Gérard Collomb) y el Presidente de la Biblioteca Nacional de Francia (Bruno Racine). La Presidenta de IFLA Sinikka Sipilä de Finlandia dijo las palabras oficiales de apertura. El orador principal fue el filósofo francés Bernard Stiegler, que animó a la multitud de bibliotecarios con su opinión de que las bibliotecas nunca morirán. El comentó, que aunque la digitalización y la proliferación de los libros electrónicos puedan causar que se pueda predecir su caída, las bibliotecas son más importantes que nunca. El evento de la apertura fue todo un despliegue de cultura francesa: ejemplos de la cinematografía de Francia con la presentación de pequeños cortometrajes del siglo XIX de los famosos Hermanos Lumière de Lyon (que tienen el crédito de ser pioneros de la historia del cine) y la presentación del grupo de breakdancing "Pockemon Crew."

El lunes la oradora principal fue la Princesa Laurentien de Holanda que hablo de varias formas en que los bibliotecarios pueden abogar frente a los políticos y a las comunidades sobre las necesidades de las bibliotecas y explorar nuevas asociaciones para fomentar el apoyo hacia las bibliotecas. Ella es la fundadora de Netherlands Reading and Writing Foundation, que ayuda a prevenir el analfabetismo entre niños y lo reduce entre los adultos.

El lunes en la tarde los miembros de la sección de Bibliotecas de Derecho, bibliotecarios de parlamentos y bibliotecarios de derecho de Francia se reunieron en la Biblioteca Municipal de Lyon, en la sección Part-Dieu donde tuvimos una excelente presentación de una colección histórica de documentos, manuscritos y libros en ciencia forense donados a la biblioteca hace cerca de 100 años por el médico francés Alexandre Lacassagne considerado el fundador de la moderna ciencia forense. Este programa fue seguido por una recepción patrocinada por la empresa Lexis-Nexis.

El martes en la noche fue la noche cultural, una tradición en IFLA, donde se ofrece todo lo mejor de la cultura y la gastronomía del país sede. Este año el evento tuvo lugar en La Sucrière, un renovado depósito de azúcar a orillas del Rio La Saône en el área de la Confluencia en Lyon. Fue un momento excepcional de esparcimiento y socialización, donde se disfrutó de la música, el baile y la mejor gastronomía de la región.

Nota:

Este artículo se publicó originalmente en el vol. 20, No. 1 de Octubre del 2014 de FCIL Newsletter, del Foreign, Comparative and International Law (FCIL) Special Interest Section de la American Association of Law Libraries (AALL). Se reproduce con permiso. Traducido por Marisol Florén.

CHAPA "NOVAS PERSPECTIVAS"

PRESIDENTE: Ricardo Crisafulli Rodrigues
VICE-PRESIDENTE: Marcos Sigismundo
1º SECRETÁRIO: Cristine Marcial
2º SECRETÁRIO: Marília Augusta de Freitas
1º TESOUREIRO: Mônica Peres
2º TESOUREIRO: Raphael Cavalcante

CONSELHO FISCAL
Membros Efetivos
Emir Suaiden
Antônio Miranda
Iza Antunes Araújo

Membros Suplentes
Patrícia Nunes
Yaciara Mendes Duarte
Fernando Silva


CHAPA “NOVAS PERSPECTIVAS” PROGRAMA GERAL DE TRABALHO
ANO DE 2015

- Alteração e modernização do Regimento e do Estatuto da ABDF

- Criação de cursos de extensão na área de Ciência da Informação, em
parceria com a Faculdade de Ciência da Informação da Universidade de
Brasília

- Criação de uma revista eletrônica informativa na área de Ciência da Informação

- Atividades da Semana do Bibliotecário

- Criação de um prêmio relacionado à produção de trabalho científico
na área de Ciência da Informação, em cooperação com o Instituto
Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia-IBICT. Prêmio em
dinheiro e publicação dos melhores trabalhos na revista Ciência da
Informação

- Reativação das ações da ABDF como Utilidade Pública

- Assinaturas de convênios e acordos de cooperação técnica com
UnB-FCI, Ibict, UnB-BCE, GDF etc.

- Reformulação do Site da ABDF

- Participação no Seminário sobre Informação na Internet, em parceria
com o IBICT

ANO DE 2016

- Continuação dos cursos de extensão na área de Ciência da Informação,
em parceria com a Faculdade de Ciência da Informação da Universidade
de Brasília

- Organização de Seminário sobre Informação Imagética

- Segunda edição do prêmio relacionado à produção de trabalho
científico na área de Ciência da Informação, em cooperação com o
Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia-IBICT.
Prêmio em dinheiro e publicação dos melhores trabalhos na revista
Ciência da Informação

- Atividades da Semana do Bibliotecário

- Criação de sistema de consultorias externas a serem realizadas pela
ABDF na área de Ciência da Informação



- Criação de Banco de Bibliotecas e bibliotecários de Brasília, a ser
publicado no Site da ABDF

- Criação de cursos de Educação à Distância

- Planejamento de uma linha editorial para a ABDF

ANO DE 2017

- Continuação dos cursos de extensão na área de Ciência da Informação,
em parceria com a Faculdade de Ciência da Informação da Universidade
de Brasília

- Terceira edição do prêmio relacionado à produção de trabalho
científico na área de Ciência da Informação, em cooperação com o
Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia-IBICT.
Prêmio em dinheiro e publicação dos melhores trabalhos na revista
Ciência da Informação

- Atividades da Semana do Bibliotecário

- Consultorias externas a serem realizadas pela ABDF na área de
Ciência da Informação

- Cursos de Educação à Distância

- Participação no Seminário sobre Informação na Internet, em parceria
com o IBICT

O registro de chapa dar-se-á, obedecendo-se ao seguinte:

  • A diretoria da ABDF está composta de 12 (doze) membros, assim distribuídos:

Cargos Eletivos: Presidente, vice-presidente, 1o Secretário, 2o Secretário, 1o

Tesoureiro, e 2o Tesoureiro.

Conselho Fiscal: 3 membros efetivos e 3 membros suplentes.

  • Só poderá participar da chapa o profissional bibliotecário que for associado da ABDF e

em dia com a anuidade.

  • O bibliotecário não poderá se candidatar em mais de uma chapa.
  • Cada chapa receberá um número de acordo com a ordem de entrada.

A eleição da ABDF obedecerá ao seguinte cronograma:

Data Atividade

17/10/2014 Encerramento para inscrição das chapas

20/10/2014 Prazo para apresentação de eventuais impugnações

21/10/2014 Julgamento das impugnações, ou inelegibilidade das chapas.

22/10/2014 Homologação das chapas e apresentação aos associados

03/11/2014 Sorteio das Juntas receptoras e apuradoras dos votos

13/11/2014 Eleições

 

Local das inscrições: SHCGN 702/703, Bloco G, Entrada 49, Sobreloja - Brasília-DF 70710-

750 - Fone: (61) 3326-3835 ou e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

A atual diretoria da Associação dos Bibliotecários do Distrito Federal está à disposição de todos

os interessados para o esclarecimento de qualquer dúvida.

Atenciosamente,

Comissão Eleitoral

Divina Aparecida da Silva

Iza Antunes Araujo

Marmenha Rosário

Mirildes Alves Regino

"DO CHUMBO AO VIDRO: trajetória da experiência eleitoral recente"

Data: 26/09 a 30/10

Abertura: 17h

Local: Biblioteca Central UnB

A exposição tem como tema central o movimento "Diretas já", bem como todo processo de evolução do voto desde o fim do regime militar até os dias de hoje. A exposição é composta por fotos, documentos e artefatos que registram esse momento histórico. O tema se mostra pertinente em relação ao momento vivido pelo país, pois propõe uma reflexão sobre a participação política da sociedade e seus efeitos no contexto nacional.

Quarta, 23 Julho 2014 18:02

BiblioCamp Brasília 2014

A 4ª edição do BiblioCamp acontecerá em Brasília, no dia 06 de setembro de 2014, das 09h às 17h, na Biblioteca Nacional de Brasília.

O Bibliocamp surgiu em 2011, com ideia do bibliotecário da UFRJ, Moreno Barros, como sendo um encontro de bibliotecários que tivessem algo bacana sobre a profissão, uma ideia, uma experiência ou um projeto para compartilhar. Tudo em um ambiente despojado e intimista. O intuito era juntar profissionais para um bate-papo e trocar de experiências. Sem a formalização dos tradicionais eventos acadêmicos da área, mas com o comprometimento e paixão por aquilo que se faz no dia a dia da atuação profissional.

A 1ª edição em 2011 aconteceu na cidade do Rio de Janeiro, na Biblioteca Parque de Manguinhos, organizada pelo próprio Moreno Barros.

A 2ª edição em 2012 ocorreu em Florianópolis, na Barca dos Livros. Foi organizada pela Elisa Delfini, Daniela Spudeit e Jorge do Prado.

A 3ª edição em 2013 aconteceu na cidade de São Paulo, na Biblioteca Pública Alceu Amoroso Lima, temática em poesia. Foi organizada por Amanda Franco, Ana Marysa Santos, Carolina Kokumai, Paloma Altran, Marcela Ponce de Leon e Tiago Murakami.

Para participar do BiblioCamp basta se inscrever gratuitamente. Não há entrega de certificado e cada participante é responsável por seu próprio transporte e alimentação. O principal objetivo do evento é a troca de conhecimento entre os participantes, o compartilhamento entre pessoas que amam e acreditam naquilo que realizam.

http://bibliocamp.com/

O Centro de Estudos Filosóficos -Teológicos Redemptoris Mater convida para o lançamento de DEVOTOS E DEVASSOS, do Prof. Dr. Cristian Santos.
Data: 29 de abril / 19h30
Local: Seminário Redemptoris Mater
Setor Ermida Dom Bosco -AE 01
Lago Sul Brasília - DF

Na sociedade atual, o papel das bibliotecas públicas tem chamado a atenção do governo e da população brasileira. Isso pode ser constatado quando observamos as atuais políticas públicas de valorização do livro e da leitura, que priorizam a biblioteca no desenvolvimento da cultura letrada no país. Um bom exemplo disso é o Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL), uma iniciativa do Ministério da Cultura (MinC) em parceria com o Ministério da Educação (MEC), criado em 2006. (Clique aqui e leia a reportagem sobre o Plano.)

O que a biblioteca se tornou nos últimos anos? Como torná-la mais interessante para crianças, jovens e adultos? Qual a importância da implementação da lei que institui as bibliotecas escolares em todo o país? Essas questões foram discutidas por Gláucia Mollo, bibliotecária responsável pelo projeto “Leitura em Movimento” da Secretaria Municipal de Cultura de Campinas (SP). Na entrevista abaixo, Gláucia reforça o papel primordial da biblioteca na escola e na comunidade, além de apresentar sua visão sobre o futuro da leitura em meio ao progresso das ferramentas tecnológicas atuais.

Plataforma do Letramento: Que desafios e conquistas relativos à leitura no país traz a promulgação da Lei nº 12.244, de 2010, que prevê a universalização das bibliotecas escolares no Brasil?
Glaucia Mollo: É um contrassenso saber que a escola, espaço primordial para o ensino da leitura, ainda existe sem a biblioteca. Essa lei promulgada recentemente representa uma importante conquista ao prever que, até 2020, todas as escolas tenham bibliotecas. No entanto, ainda que contribua para a melhoria do ensino, essa iniciativa do poder público isolada não é suficiente. Não basta criar espaços nas escolas, com infraestrutura adequada, e com bibliotecários e auxiliares, se o dia a dia da escola não demanda da biblioteca; deve haver essa necessidade, assim como os educadores, educandos e gestores devem conhecer as potencialidades e formas de utilizar esse espaço. O desafio é fazer com que a biblioteca seja importante para a escola, de modo que a sala de aula necessite desse espaço vital de aprendizado. A biblioteca escolar não é apenas um local de empréstimo semanal de livros de literatura para os alunos; também não é um local de realização de pesquisas e cópias ou de exibição de filmes em dias chuvosos. Ela é muito mais que isso: é um centro de referência e de informação da escola. A biblioteca escolar deve possuir as informações importantes para auxiliar seu público-alvo. Ela organiza essas informações a fim de disseminá-las, de modo que todos possam utilizá-las da melhor forma. As bibliotecas escolares têm funções diferenciadas em relação às bibliotecas públicas, comunitárias, especializadas, universitárias e de outros de tipos. Elas têm por objetivo atender a sala de aula, no intuito de auxiliar o aluno, o professor e os demais profissionais da escola a desenvolverem seus trabalhos de forma mais eficiente – além, é claro, de formar leitores, função das salas de leitura em geral. A biblioteca é o local onde se experimenta a leitura de entretenimento, o estudo, a pesquisa, a informação e o lazer; além disso, é nela que encontramos os diferentes tipos de textos e seus respectivos suportes, para que se possam formar leitores mais conscientes e críticos. Ela é, também, o ambiente ideal para se desenvolver e exercitar as habilidades de leitura e escrita nas escolas. Para que isso ocorra, é necessário haver sintonia com a sala de aula. Nesse sentido, acho muito importante a promulgação da Lei nº 12.244, de 2010, mas precisamos de mais: de que as escolas repensem a importância das bibliotecas para que elas possam, de fato, auxiliar na formação de leitores e não ser apenas, espaços coletivos.   

PL: Como tornar a biblioteca um espaço atraente a todos – estudantes, familiares, comunidade em geral – sem esquecer sua finalidade principal: a promoção da leitura?
GM: As bibliotecas, em geral, não necessitam de uma estrutura complexa para ser eficientes e interessantes. Ela é um local atraente quando tem um acervo de qualidade, frenquentemente atualizado e de interesse de seu público-alvo; também se torna mais atraente no momento em que possui um espaço acolhedor e agradável, com mobiliário adequado, ventilado, iluminado e organizado. Isso tudo, além das ações desenvolvidas por meio da leitura, já justificam a existência de uma boa biblioteca para leitores de todas as idades. Há algo que faço sempre: comparar a quantidade de pessoas que estão em livrarias às que estão nas bibliotecas. Como bibliotecária, é triste constatar que o número de frequentadores das livrarias é muito superior. Mas, por que as livrarias estão repletas de leitores e as bibliotecas, vazias? A resposta é simples: a biblioteca não pode ser um depósito de livros e materiais de leitura desatualizados, sem profissionais especializados e sem investimentos. Ela precisa de condições favoráveis para promover a leitura e formar leitores. Muitas bibliotecas não têm sequer o jornal diário da sua cidade (uma realidade difícil de acreditar); sem esses mínimos materiais, não é possível proporcionar satisfação a seu público. O que falta é investimento e não atividades de toda ordem, que não têm nenhuma relação com leitura. As bibliotecas devem ser, novamente, apenas bibliotecas de verdade, nas quais o leitor encontre o que procura.

PL: Como você vê a relação entre leitura e novas tecnologias nesses espaços educativos e na sociedade em geral? 
GM: As novas tecnologias estimulam o exercício da leitura e da escrita, tanto nas escolas como na sociedade em geral, pois crianças e adultos estão lendo e escrevendo mais, por conta dessas ferramentas. Isso é muito positivo, pois podemos utilizar essas tecnologias em sala de aula. A tecnologia, quando bem utilizada, pode proporcionar novos significados à leitura e à escrita, além de criar novos sentidos em relação ao cotidiano. Entretanto, quem precisa urgentemente se atualizar em meio a tanta informação tecnológica somos nós, professores, bibliotecários e profissionais de gerações passadas, para que participemos mais desse mundo virtual. Hoje uma criança de 3 anos já utiliza um tablet, por exemplo. Essa revolução, com certeza, já proporciona inúmeras oportunidades em relação ao uso da escrita e da leitura às novas gerações. Quanto ao duelo entre o livro em papel e o livro digital, creio que este ganhará a batalha; de acordo com as estatísticas, a procura pelo livro digital está cada vez maior, sendo ele mais compatível com a geração de leitores e escritores que utilizam as novas redes digitais.

fonte: http://www.plataformadoletramento.org.br/acervo-entrevista/428/a-biblioteca-e-seu-papel-na-sociedade-contemporanea.html

O SINPRED é o primeiro Seminário Internacional de Preservação Digital organizado pela Rede Brasileira de Serviços de Preservação Digital - Cariniana. O evento acontece no período de 7 a 9 de maio de 2014, no Brasília Imperial Hotel. A iniciativa é do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Na ocasião, será realizado o III Encontro da Rede Cariniana simultaneamente ao Seminário.

 

Informações: http://sinpred.ibict.br

 

Inscrições: http://sinpred.ibict.br/index.php/sem1/sinpred/schedConf/registration

 

Período: 24 de fevereiro a 15 de abril de 2014.

 

(VAGAS LIMITADAS)

No última quinta-feira, dia 13 de fevereiro, fui assistir à apresentação do modelo de Biblioteca Pública virtual que está sendo lançado pela Xeriph. Há duas semanas, Galeno Amorim anunciou o próximo lançamento de um projeto de bibliotecas virtuais para bibliotecas escolares, e nos últimos dias a joint-venture da Saraiva, GEN, Atlas e Grupo A anunciou nova versão do modelo de seu programa Minha Biblioteca, que já está com três anos de vida.

Por outro lado, pipocam notícias sobre várias alternativas de aluguel e empréstimo de livros eletrônicos. A Amazon tem um serviço que funciona entre proprietários do Kindle e startups como a Oyster e outros almejam se tornar a “Netflix” dos livros. Como se sabe, a Netflix é um sistema de assinatura que permite o streaming de uma seleção já bastante extensa de filmes, séries de TV e congêneres.

Todas essas iniciativas possuem algo em comum, e imensas diferenças entre si.

A Kindle Lending Library está disponível para os que têm conta na Amazon americana e pagam pelo serviço Prime. Nesse caso, podem baixar temporariamente livros da biblioteca de empréstimo e também emprestar seus livros para outro usuário do Kindle. A assinatura anual do Prime custa US$ 79 e oferece algumas vantagens adicionais, como frete grátis (nos EUA). Como tudo na Amazon, é um serviço destinado aos seus clientes e exclusivamente para estes. Ainda não está disponível no Brasil.

Minha Biblioteca foi imaginada inicialmente como uma grande “pasta do professor” legalizada e editada. As universidades contratam os serviços. Os alunos dessas universidades recebiam um login para acessar o acervo digital da instituição do ensino. Essa montava a biblioteca pagando o preço de capa dos livros escolhidos, que ficavam disponíveis “para sempre” (desde que isso exista na Internet…). No modelo de aquisição, cada usuário da instituição pode acessar o título adquirido desde que este não esteja sendo lido por outra pessoa. Ou seja, a instituição de ensino deve calcular pelo menos uma média de exemplares adquiridos de modo a não congestionar o acesso ou fazer filas extensas.

O outro modelo é o de assinaturas, pelo qual a instituição de ensino paga pela quantidade de logins usados. Nesse caso, não há fila de espera.

Recentemente a Minha Biblioteca abriu outro modelo de negócio. Agora pessoas físicas, sem intermediação da instituição de ensino, podem adquirir ou alugar livros pelo sistema. O aluguel varia segundo o tempo e o preço de capa do livro. O aluguel de um livro por todo o semestre pode chegar a 60% do valor de sua compra.

Oyster por enquanto só funciona com cartões de crédito dos EUA. A Nuvem de Livros funciona no Brasil e é exclusivo para assinantes da Vivo. Só funciona com acesso à Internet. Ou seja, além da assinatura (R$ 2,99), há também o custo da conexão e o programa só funciona online.

Nesses vários modelos de bibliotecas com sistema de aluguel, os leitores (pessoas físicas) compram assinaturas que permitem acessar uma certa quantidade de títulos no período, escolhendo entre acervos que crescem continuadamente. Essas iniciativas são todas muito importantes e ampliam o acesso ao livro de forma exponencial. Ainda são embrionárias e, em muitos casos, experimentais.

O modelo das Bibliotecas Digitais Xeriph tem algumas semelhanças com o da Minha Biblioteca, menos na possibilidade de aluguel direto por pessoas físicas.
​A Xeriph / foi a primeira distribuidora e agregadora de livros digitais no Brasil. Segundo Carlos Eduardo Ernanny, seu diretor (que continua no cargo depois que a empresa foi adquirida pelo Grupo Abril), a Xeriph surgiu como uma necessidade depois da fundação da livraria Gato Sabido, http://www.gatosabido.com.br/ que se viu com pouquíssimo conteúdo disponível para vender depois de inaugurada. A criação da distribuidora foi o caminho encontrado para solucionar isso. Hoje, a Xeriph distribui mais de 200 editoras e dispõe de um acervo de cerca de 16.000 títulos para distribuição e comercialização.

O projeto de bibliotecas da Xeriph está destinado a bibliotecas públicas (de qualquer tipo) e bibliotecas empresariais. Em ambos casos, a autoridade responsável (órgão governamental ou o departamento encarregado da administração da biblioteca) adquire o acervo e o programa e recebe o pacote inteiro, que inclui as informações de cada usuário e de cada livro, ferramentas de administração (incorporação de acervo, de usuários, consultas de métricas, etc.) e o link para a app desenvolvida pela Xeriph que é de uso obrigatório para leitura. A Xeriph já desenvolveu apps para iOS e Android (o Windows Phone não foi mencionado) e para desktops.

Os livros disponíveis podem ser os agregados pela Xeriph ou, no caso de outros agregadores, os que as editoras autorizem participar no programa.

Os livros são vendidos pelo “preço de capa” do ebook (ePUB 2 ou PDF). Nesse sentido, a Xeriph atua como uma loja e se remunera com o desconto que lhe foi concedido pela editora. Isso no modelo de compra dos livros.

Mas a biblioteca pode ser usada também pelo modelo de subscrição. Nesse caso, a empresa (ou o órgão governamental), adquire uma quantidade de logins, o sistema registra quantos livros foram retirados e cobra o preço pactuado por esses acessos (não foi revelado o preço, é claro, segredo de negócio e certamente sujeito a múltiplas negociações). Sessenta por cento do recebido é transferido para as editoras, de modo proporcional aos acessos de seus livros.

No caso de venda dos livros, Carlos Eduardo Ernanny declarou ser favorável a uma venda definitiva, perpétua. Mas os editores podem estabelecer também um limite para downloads de empréstimo (modelo que vem sendo adotado por algumas editoras dos EUA). Ou seja, depois de “x” empréstimos o livro não fica mais no acervo e a biblioteca terá que adquiri-lo novamente.

Quando o acervo é vendido, cada exemplar digital só pode ser emprestado a um usuário por vez. Se o livro estiver emprestado, forma-se uma fila. Se esta cresce muito, pode induzir o bibliotecário a adquirir mais exemplares do livro. No caso de subscrição, tal como na Minha Biblioteca, não existem filas. Em todos os casos os usuários ficam com os livros nas suas estantes por duas semanas, e podem emprestar até cinco títulos por vez. No modelo de subscrição, para evitar que o usuário permaneça indefinidamente com o livro, a renovação do empréstimo só pode acontecer 45 dias após o final do empréstimo anterior. Em todos os casos, depois de terminado o período de empréstimo, o sistema automaticamente retira o livro da estante do usuário e o devolve para o acervo digital da biblioteca, abrindo espaço para outro usuário emprestar o volume.
Ernanny informou que, no caso de já existir um sistema de bibliotecas, a “biblioteca mãe” pode centralizar o empréstimo para todos os ramais, sempre dentro dos mesmos princípios: fila para os usuários, acesso imediato para subscrições, dentro da quantidade de logins adquiridos.

A Xeriph apresentou um modelo das páginas de uma biblioteca. O modelo é fixo, podendo mudar apenas no cabeçalho e na cor da barra superior, que podem incluir o logotipo da biblioteca, empresa, etc.

Logo abaixo dessa barra inicial aparece uma fila de livros (existentes no acervo) recomendados pelo sistema. Perguntado, Ernanny informou que essas recomendações são feitas exclusivamente através de algoritmos do sistema, não havendo possibilidade de cobrança para mudança de posição. Ora, sabemos que as livrarias cobram adicionais das editoras para colocação de livros na entrada, em vitrines, em pilhas, e que a Amazon levou esse processo a extremos, com as promoções ditas “cooperadas”. Diante disso, sugiro às editoras, principalmente as pequenas, que vejam se essas condições estão ou não incluídas nos contratos.

A fila seguinte é a de “Recomendações do Bibliotecário”. Nesse caso, é o administrador da biblioteca que seleciona os títulos que recomenda. Pode haver também uma barra com os títulos “mais emprestados” e haverá também espaço para sugestões de aquisição. Alguns sistemas de administração de bibliotecas, como o Alexandria, www.alexandria.com.br por exemplo, permitem que o programa localize de imediato o título sugerido, já que geralmente o leitor informa somente o título, às vezes o autor e quase nunca a editora.

Segundo Ernanny, as editoras terão condições de colocar metadados com informações adicionais sobre seus livros, Mas não foi informado como o sistema irá processar as buscas.
A leitura dos livros será feita exclusivamente através do app desenvolvido pela Xeriph, que já tem incorporado modo noturno e a possibilidade do fundo da página ser sépia, assim como mudar a fonte.

Ao entrar no sistema, o usuário pode verificar a lista de todas as bibliotecas que estão na Xeriph, mas deverá escolher aquela para a qual tem acesso. Poderá, se for o caso, ter acesso a duas ou mais bibliotecas, se estiver inscrito em várias.
Ernanny informou que deve entrar no ar a curto prazo um piloto do sistema, para o comprador que está na etapa final das negociações. O sucesso da empreitada, entretanto, depende certamente da quantidade e qualidade do acervo oferecido. Pela reação dos representantes das editoras presentes, percebi que isso não será problema. É mais um negócio que pode ser viável para os livros já digitalizados.

No caso da biblioteca da Xeriph, acredito que ela possa ter sucesso junto a empresas que ofereçam esse benefício a seus funcionários ou clientes. Pode bem ser um benefício de programas de milhagem ou similares.

Tenho minhas dúvidas quanto à sua implantação em bibliotecas públicas por uma razão bem simples: os impedimentos orçamentários e burocráticos que dificultam o crescimento de acervos nas bibliotecas públicas continuam sendo os mesmos na biblioteca digital. As prefeituras, em sua imensa maioria, não destinam recursos para as bibliotecas, que vivem de doações do público ou recebendo acervos proporcionados pelo governo. Nesses casos, o uso de mecanismos das leis de incentivo fiscal para patrocinar bibliotecas pode ser uma saída.

De qualquer maneira, o simples fato de tirar a necessidade de ir à biblioteca (ou a uma livraria) e facilitar o acesso, já é um grande ponto a favor. Programas de incentivo à leitura são fundamentais, mas sem o acesso a acervos atualizados, de pouco adiantam.

Fonte: oxisdoproblema.com.br

Página 9 de 56